Ciclo de Palestras com personalidades jurídicas

Em uma oportunidade rara, o Instituto de Mediação Aplicada – IMA reuniu, em um mesmo espaço, três grandes referências jurídicas de Minas Gerais para debater a prática da mediação. Os desembargadores do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, José Arthur de Carvalho Pereira e Marcelo Guimarães Rodrigues e o Juiz de Direito, ex-coordenador do CEJUSC-BH, Dr. Renan Chaves Carreira Machado fizeram a abertura do Ciclo de Palestras externas do IMA, no dia 4 de julho, no auditório do Colégio Pio XII. O público teve a chance de enxergar, sob a perspectiva e a experiência dos magistrados, a utilização da mediação, em campos diferentes, no dia a dia de cada um.

O desembargador José Arthur, embasado por números e dados comparativos, fez uma explanação esclarecedora sobre as diferenças entre Conciliação e Mediação e a prática desses métodos de resolução de conflitos no Brasil e em outros países.

O desembargador Marcelo Guimarães Rodrigues apresentou de forma inovadora,  com base em diversos estudos e na experiência cotidiana, uma visão da Mediação nos serviços Notariais de Registro. Ele exaltou positivamente o fato de que os cartórios, agora  autorizados por lei, podem e devem  eles próprios promover a mediação na busca, por exemplo, de renegociação de dívidas protestadas e não quitadas. E ressaltou como a decisão pode beneficiar as pessoas e agilizar processos.

Já o dr. Renan Chaves,  baseando-se em números, estudos e na prática da busca da justiça, brindou os presentes com uma realista explanação e análise da aplicação de Mediação nos Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania do Poder Judiciário. Ele ressaltou a eficácia deste método, que acredita, ainda ter muito a crescer e a se propagar pelos Cejuscs do estado, contribuindo de forma decisiva para a participação efetiva das pessoas na busca de solução das suas demandas, com maior índice de satisfação e menor retorno de processos que abarrotam o judiciário.

Empolgada com o resultado do encontro,  a presidente do IMA, mediadora e psicanalista Rita Andréa Guimarães ressaltou que a escuta de vários pontos de vista é premissa da Mediação e que, mais uma vez, o Instituto de Mediação Aplicada cumpriu o seu papel, ao fortalecer a palavra de cada um e ao promover o diálogo e a comunicação ética.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *